Produto com patente estrangeira só pode prevalecer caso tenha pedido de prioridade anterior ao registro do similar nacional

Notícias

Produto com patente estrangeira só pode prevalecer caso tenha pedido de prioridade anterior ao registro do similar nacional

Escrito por Bertol Sociedade de Advogados

08/06/2016

Uma empresa de Santa Catarina importadora de ventiladores/vaporizadores da China não conseguiu no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) a exclusividade da comercialização no Brasil. A decisão, tomada pela 4a Turma na última semana, manteve o registro de um produto similar nacional no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).
A empresa autora ajuizou ação na Justiça Federal de Palhoça (SC) alegando que a concorrente estaria plagiando seu produto, patenteado na China, e pedindo a nulidade do registro no INPI. A medida foi tomada após o recebimento de notificações extra-judiciais da fabricante brasileira, que tem sede em Porto Alegre, e vende o produto similar com o nome de climatizador evaporativo portátil. Nos comunicados, a empresa citava o registro de seu produto no INPI e reclamava a exclusividade.

Conforme a autora, seu ventilador com vaporizador de ar/umidificador estaria protegido por prévia patente de invenção, registrada na China em 2010, com validade de 20 anos. Alega que a legislação nacional e o tratado da Convenção de Paris estipulam que a patente de invenção estrangeira deve ter prioridade no Brasil, visto que foi anterior ao registro do aparelho brasileiro.

A ação foi julgada improcedente pela 1ª Vara Federal de Palhoça sob o entendimento de que a importadora só poderia exigir a exclusividade de seu produto caso houvesse reivindicado a prioridade em favor da patente em data anterior ao registro do concorrente no INPI, o que não foi o caso.

A decisão levou a empresa catarinense a recorrer ao tribunal sustentando que o registro da patente na China é anterior ao registro do INPI. O relator do caso, desembargador federal Cândido Alfredo Silva Leal Júnior, ressaltou que embora a patente tenha registro em data anterior na China, o pedido de prioridade no Brasil só foi realizado pela importadora em novembro de 2011. Em contrapartida, relatou Cândido, o registro brasileiro data de dezembro de 2009.

“De acordo com a legislação nacional e o tratado da Convenção de Paris, a patente de invenção estrangeira terá prioridade também no Brasil, desde que seja efetuado um depósito nacional ou reivindicada sua prioridade no Brasil. Trata-se do princípio da Prioridade Unionista. Esse princípio, estabelecido pelo artigo 4º da Convenção da União de Paris – CUP, dispõe que o primeiro pedido de patente ou desenho industrial depositado em um dos países membros serve de base para depósitos subsequentes relacionados à mesma matéria, efetuados pelo mesmo depositante ou seus sucessores legais”, explicou o desembargador, mantendo a sentença.

5010335-26.2010.4.04.7200/TRF

FONTE: TRF4

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Acompanhe nosso instagram

Assine nossa newsletter