Ministros do STJ indeferem habeas corpus preventivos contra “toque de recolher” em Santa Catarina

Notícias

Ministros do STJ indeferem habeas corpus preventivos contra “toque de recolher” em Santa Catarina

Escrito por Bertol Sociedade de Advogados

10/12/2020

O ministro Joel Ilan Paciornik, do Superior Tribunal de Justiça(STJ), indeferiu liminarmente habeas corpus em que um advogado buscava salvo contudo contra o decreto número 970, de 04 de dezembro de 2020, editado pelo governo do estado e que estabelece medidas de enfrentamento da COVID-19 em todo território catarinense.

Dentre as medidas, o inciso II do parágrafo primeiro da norma estabelece: “diariamente, da meia-noite às 5 horas, restrição de circulação e de aglomeração de pessoas em espaços, públicos e privados, e em vias públicas”.

Na ação de habeas corpus, o impetrante buscava salvo conduto ante o que classifica de “iminência e ameaça concreta de ser abordado, preso e processado por descumprimento do ‘toque de recolher’ o que ocasiona constrangimento ilegal ao direito de ir e vir”.

Na peça, fundamenta sua pretensão no art. 5º, XV, da Constituição Federal, que garante que o direito de locomoção é amplo em tempo de paz. Defendeu ser “flagrante a inconstitucionalidade do ato editado pelo Chefe do Poder Executivo Estadual”.

O ministro, no entanto, observou óbice de ordem processual na pretensão, tanto pela indevida análise de constitucionalidade pelo STJ como pela vedação imposta pelo regimento interno do STJ.

Decidiu Paciornik:

[…]
De início, ressalte-se que o exame da apontada inconstitucionalidade do referido Decreto, não compete ao Superior Tribunal de Justiça, sob pena de usurpação da competência do Supremo Tribunal Federal (v.g. AgRg no HC n. 480.459/SP, Rel. Ministra LAURITA VAZ, SEXTA TURMA, DJe 10/04/2019; AgInt nos EDcl no REsp 1.687.565/MS, Rel. Ministro NEFI CORDEIRO, SEXTA TURMA, DJe 25/09/2018; AgRg no AgRg no AREsp 1.275.927/DF, Rel. Ministro RIBEIRO DANTAS, QUINTA TURMA, DJe 24/10/2018).

No mais, verifica-se que o presente mandamus foi impetrado contra ato normativo em tese, o que se mostra vedado, segundo a pacífica jurisprudência desta Corte Superior de Justiça, que é firme no sentido de que “normas de caráter geral e abstrato, ainda que consideradas em desarmonia com a Constituição Federal, não podem ser impugnadas por meio de habeas corpus” (AgRg no HC 201.203/SP, Rel. Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA, SEXTA TURMA, DJe 1º/06/2011).
Diante do exposto, nos termos do art. 210 do Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça, indefiro liminarmente o presente habeas corpus.

Defensoria Pública

Um segundo habeas corpus com o mesmo objeto, desta vez impetrado pela Defensoria Pública do Estado, também foi indeferido liminarmente. Nesta decisão, o ministro Antônio Saldanha Palheiro fundamenta com base na súmula número 266 do STF, que consolidou o entendimento segundo o qual “o habeas corpus não constitui via
própria para o controle abstrato da validade das leis e dos atos normativos em geral, sob pena de desvirtuamento de sua essência” (STJ, RHC n. 104.626/SP, relator Ministro RIBEIRO DANTAS, QUINTA TURMA, DJe de 13/8/2019)”.

Decreto não impõe “toque de recolher”, diz governo

Em comunicado à imprensa, o governo do estado informou que a medida estabelecida no decreto número 970/20 não representa “toque de recolher”. Segundo entendimento da Consultoria Jurídica (Cojur) da secretaria de Estado da Saúde (SES), a medida restringe a circulação no horário da madrugada, mas não proíbe a circulação de pessoas no período diurno. Dessa forma, o texto não viola dispositivos constitucionais.

Leia a decisão do ministro Paciornik NESTE LINK
Habeas corpus número 632408

Leia a decisão do ministro Palheiro NESTE LINK
Habeas corpus número 632374 

Fonte: JusCatarina

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acompanhe nosso instagram

Assine nossa newsletter